Minas Acontece - Uso ou tráfico do crack está ligado a 80% dos roubos e homicídios
Minas Acontece - O que acontece em Minas você fica sabendo primeiro aqui! Notícias de: Alfenas, Alterosa, Areado, Campos Gerais, Guaxupé, Juruaia, Machado, Paraguaçu, Poços de Caldas, Pouso Alegre, Serrania e Varginha.

Supermercado Nobre

Minas Acontece Home    Fale Conosco  

Galeria de Fotos   |   Vídeos  

PÁGINA PRINCIPAL  |  ALFENAS  |  ALTEROSA  |  AREADO  |  CAMPOS GERAIS  |  GUAXUPÉ  |  JURUAIA  |  MACHADO  |  PARAGUAÇU  |  
POÇOS DE CALDAS  |  POUSO ALEGRE  |  SERRANIA  |  VARGINHA
Polícia       Política       Geral       Economia       Esporte       Cultura       Eventos       Guia Comercial      Contato Buscar:


Uso ou tráfico do crack está ligado a 80% dos roubos e homicídios
11/06/2010
compartilhe:


“O Crack está se tornando um problema nacional”, afirma o Tenente Milton do 24° Batalhão da Polícia Militar em Varginha

Uma audiência pública realizada na tarde da última terça-feira (1º), no auditório da Assembléia Legislativa, em Belo Horizonte, constatou que o uso ou tráfico do crack está diretamente ligado a pelo menos 80% das ocorrências de furtos, roubos, tentativas de homicídio e homicídios. A audiência reuniu deputados estaduais, oficiais da Polícia Militar e delegados da Polícia Civil do Estado, que chegaram a essa conclusão.

O deputado João Leite (PSDB), presidente da Comissão de Segurança Pública da Assembléia, disse que o trabalho parlamentar que está sendo feito no interior do Estado, onde já foram percorridos 15 municípios, com a realização de audiências públicas, para debater o avanço do crack, foi organizado no ano passado.

Em Varginha, uma das questões que a PM prioriza é o combate ao tráfico de drogas. O Tenente Milton do 24° Batalhão da Polícia Militar ressaltou o trabalho intenso dos policiais, no que se diz respeito às ações contra as drogas; “Somente nos primeiros quatro meses deste ano, fizemos a apreensão de mais de 100 papelotes de cocaína, mais de quatro quilos de maconha, e mais de 300 pessoas presas por envolvimento com o trafico e uso de drogas, além do crack, que teve mais de 700 pedras apreendidas”, afirma.

Em relação ao crack, o Tenente afirma que é um problema vai além do que município; “Infelizmente o crack está se alastrando cada vez mais, e isto não é só em nossa cidade ou estado, mas sim em todo país”, ressalta.

Cidades do sul de Minas no combate ao Crack

Em toda a região, a apreensão de crack, está se tornando uma rotina para os Políciais Militares. A PM de Passos, prendeu na última quinta-feira (3) uma mulher que estava com 76 pedras de crack, no bairro Nossa Senhora de Lourdes. A droga estava escondida em baixo de uma lata de tinta que estava vazia.

Um menor de 16 anos também foi detido pelos policiais que foram até a residência depois da denúncia do roubo de um tanque de lavar roupas. Eles foram levados para a delegacia para prestar depoimentos.

Em Poços de Caldas, a PM prendeu também na última quinta-feira , um homem de 24 anos por tráfico de drogas. Warley Dias da Silva agia no centro da cidade e com ele foram apreendidas 21 pedras de crack. Ele foi levado para a delegacia da cidade.

Crack e sua intensa dependência

O Crack é uma droga feita a partir da mistura de cocaína com bicarbonato de sódio geralmente fumada. É uma forma impura de cocaína e não um sub-produto. O nome deriva do verbo "to crack", que, em inglês, significa quebrar, devido aos pequenos estalidos produzidos pelos cristais (as pedras) ao serem queimados, como se quebrassem.

A fumaça produzida pela queima da pedra de Crack, chega ao sistema nervoso central em dez segundos, devido ao fato de a área de absorção pulmonar ser grande e seu efeito dura de 3 a 10 minutos, com efeito de euforia mais forte do que o da cocaína, após o que produz muita depressão, o que leva o usuário a usar novamente para compensar o mal-estar, provocando intensa dependência. Não raro, o usuário tem alucinações, paranóia (ilusões de perseguição).

Em relação ao seu preço, é uma droga mais barata que a cocaína. O uso de cocaína por via intravenosa foi quase extinto no Brasil, pois foi substituído pelo crack, que provoca efeito semelhante, sendo tão potente quanto a cocaína injetada. A forma de uso do crack também favoreceu sua disseminação, já que não necessita de seringa, basta um cachimbo, na maioria das vezes improvisado, como uma lata de alumínio furada, por exemplo.

Fonte: Correio do Sul


compartilhe:


















New Page 8

 
Notícias >  Cultura  |  Esportes  |  Economia  |  Geral  |  Polícia  |  Política

Classificados >  Geral  |  Imóveis  |  Veículos

Home       Fale Conosco  

Fone:35 8705-5331
Todos direitos reservados.