Minas Acontece - Conservatórios no Sul de Minas investem em ensino da viola caipira
Minas Acontece - O que acontece em Minas você fica sabendo primeiro aqui! Notícias: Alfenas - Guaxupé - Machado - Pouso Alegre
Minas Acontece Home    Fale Conosco  

Galeria de Fotos   |   Vídeos  

PÁGINA PRINCIPAL  |  ALFENAS  |  ALTEROSA  |  AREADO  |  CAMPOS GERAIS  |  GUAXUPÉ  |  JURUAIA  |  MACHADO  |  PARAGUAÇU  |  
POÇOS DE CALDAS  |  POUSO ALEGRE  |  SERRANIA  |  VARGINHA
Polícia       Política       Geral       Economia       Esporte       Cultura       Eventos       Guia Comercial      Contato Buscar:


Conservatórios no Sul de Minas investem em ensino da viola caipira
30/11/2016
compartilhe:

Três cidades oferecem curso; procura chega a 11 alunos por vaga.
Evento em Varginha recebeu o violeiro Ivan Vilela para palestra e show.



Do G1 Sul de Minas


height=375

A viola está entre os primeiros instrumentos de cordas a chegar ao Brasil, no século XVI, com os jesuítas portugueses. Na trilha dos bandeirantes e tropeiros, ela se popularizou no interior paulista e no Sul de Minas, onde se enraizou e se tornou parte da identidade cultural da região. Muito difundida por meio do ensino oral, os conservatórios de Varginha (MG), Pouso Alegre (MG) e Alfenas(MG) têm se firmado como polos de estudo institucionalizado do instrumento no estado. Somente em Varginha, a procura pelo curso chega a 11 alunos por vaga.

O Conservatório Estadual Marciliano Braga, em Varginha, recebeu na última semana o músico, professor, compositor, arranjador e, sobretudo, violeiro, Ivan Vilela, para um evento gratuito. Ele ministrou uma palestra e uma aula especial para alunos e professores. Além disso, Vilela também se apresentou em um show aberto ao público.

ProfessorIvan Vilela (esq.) e Roberto Bach (dir.),  que foi um
dos responsáveis pelo curso em Varginha
(Foto: Rafael Rodrigues/G1)

Roberto Bach é professor de viola no conservatório há três anos e ressalta a importância de receber um músico deste gabarito para um evento na cidade. "Assim como outros estudiosos e pesquisadores, como o Roberto Corrêa, o Ivan é uma referência nacional do ensino, abrangendo o repertório da viola como um todo, desde o século XVI, do ciclo europeu onde ela esteve", conta o professor, que vê os alunos mais focados em música folclórica ou regional. "É importante para mostrar qua a viola não toca só esse tipo de repertório, mas que muito antes ela já tocava outras músicas em centros urbanos de outras épocas", completa.

Neste ano, abriram 16 vagas para o curso de viola caipira na instituição, que recebeu nada menos do que 176 inscrições. Para Ivan, a procura chama a atenção. "Eu acho louvável que os conservatórios de Pouso Alegre e Varginha tenham um curso voltado para viola. Na realidade, a gente precisa pensar que um instrumento tão popular no Brasil chega numa escola de música e não encontra ressonância. O problema não está no instrumento, mas na estrutura curricular", explica.

Violeiros sobre si mesmos
Ivan Vilela é mineiro de Itajubá, mas vive há muitos anos no estado de São Paulo. Graduado no curso de composição da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp-SP), ele revela que começou a tocar viola aos 30 anos. "Eu tocava violão. Peguei a viola em 1992, para compor um arranjo, e desde então eu não larguei mais", conta. "O Pereira da Viola diz que é a viola que escolhe a gente. Ela virou uma extensão do meu braço, do meu pensamento, do meu sentimento, então foi uma relação de muita intimidade, parecia que a gente se conhecia há muito tempo".

Para ele, ser violeiro está além da identificação com a vida no campo, é, sobretudo, uma ligação muito forte com a identidade brasileira. "Acho  que é um instrumento expressivo de diversos elementos culturais de alguns locais do Brasil. Acho que ser violeiro é basicamente estar com um pé na tradição e outro na modernidade", conclui.

JulioJulio César encotrou-se musicalmente na viola
caipira (Foto: Rafael Rodrigues/ G1)

Aos 38 anos, Julio César de Carvalho e Almeida estuda viola há 3 anos no Conservatório Marciliano Braga e participou do curso ministrado em Varginha. Ele ainda não se considera violeiro, mas se diz apaixonado pelo instrumento. "Falta muito para eu me tornar um violeiro, mas estudar viola aqui é uma felicidade muito grande, me preenche", conta.

Médico veterinário, ele considera que a viola tem uma forte relação com o campo na sua forma de enxergar o instrumento. "A meu ver, ela remete à calmaria do mato, das montanhas, de uma água que corre, de um bicho que passa perto de você, remete muito à natureza e a parte mística que é muito ligada à viola, ela traz muito de cultura nossa, de folclore, e essa mistura dos dois mexe muito comigo. É uma felicidade muito grande."

Assim como Ivan e Julio, o professor Roberto Bach iniciou na viola depois de adulto. "Ela foi meu terceiro instrumento, eu estudei violão, depois me graduei em contrabaixo, só então eu peguei a viola", relata o professor. Bach acredita que ser violeiro é não só tocar as músicas do repertório, mas ser músico de uma forma geral. "É poder tocar todos os estilos musicais e tentar resgatar também tudo o que é o ser caipira, trazer os valores do ser caipira nos dias de hoje, no meio acadêmico e até nas nossas famílias."

Cultura popular nos conservatórios
Os alunos que têm buscado aprender a viola nos conservatórios consideram importante o ensino institucional da cultura popular. "É um instrumento nosso e temos que valorizar nossa cultura. O que hoje me segura aqui em Varginha é a viola que eu estudo aqui", revela Julio César.

Eu acho importante que elementos da cultura popular se desenvolvam dentro de templos da cultura erudita"
Ivan Vilela

Em palestra, o professor Vilela afirmou também que é muito significativa a iniciativa de trazer a cultura popular para dentro dos conservatórios, uma vez que a região tem grande riqueza musical. "Eu acho que o Roberto, em Varginha, o Zé Helder e Odilon em Pouso Alegre, o Rafael Marin, em Alfenas desempenham papel importantíssimo ao trazer a viola para o meio onde basicamente se ensina música clássica europeia. Eu acho importante que elementos da cultura popular se desenvolvam dentro de templos da cultura erudita".

O curso de viola caipira no Conservatório Marciliano Braga oferece educação básica para crianças de 6 a 11 anos. A partir de 12 anos, começa o ensino fundamental. Existe também o ensino técnico em instrumento e canto, no qual o aluno graduado pode atuar profissionalmente como músico após três anos de curso.

As inscrições para o processo seletivo já estão encerradas e as provas acontecem em dezembro. Uma nova inscrição será aberta em feveriro de 2017, caso as vagas disponíveis não sejam preenchidas.

IvanIvan Vilela ministrou uma masterclass voltada para alunos e professores (Foto: Rafael Rodrigues/ G1)



Fonte: http://g1.globo.com/mg/sul-de-minas/noticia/2016/11/conservatorios-no-sul-de-minas-investem-em-ensino-da-viola-caipira.html


 




compartilhe:










New Page 8

 
Notícias >  Cultura  |  Esportes  |  Economia  |  Geral  |  Polícia  |  Política

Classificados >  Geral  |  Imóveis  |  Veículos

Home       Fale Conosco  

Fone:35 8705-5331
Todos direitos reservados.
The gray colored dial makes this elegant replica watches uk more attractive. A well-designed date window is another attraction of the replica watches sale face. I have always been an active person since I was a kid. I think this has highly contributed to the tight schedule I have nowadays. During the week days I run several errands in my work place given my rolex replica marketing skills. Later in the evening I exercise a bit with sports club members of our company. Activities such as replica watches sale swimming and playing tennis are my favorite ones. You can therefore imagine how important time gadgets are to me especially replica watches uk. I chose this brand specifically because of the features that meet my desires. Here are some of those replica watches sale features that will help you understand better.