Minas Acontece - Em abaixo-assinado, 1,5 milhão pedem impeachment do ministro Gilmar Mendes
Minas Acontece - O que acontece em Minas você fica sabendo primeiro aqui! Notícias: Alfenas - Guaxupé - Machado - Pouso Alegre
Minas Acontece Home    Fale Conosco  

Galeria de Fotos   |   Vídeos  

PÁGINA PRINCIPAL  |  ALFENAS  |  ALTEROSA  |  AREADO  |  CAMPOS GERAIS  |  GUAXUPÉ  |  JURUAIA  |  MACHADO  |  PARAGUAÇU  |  
POÇOS DE CALDAS  |  POUSO ALEGRE  |  SERRANIA  |  VARGINHA
Polícia       Política       Geral       Economia       Esporte       Cultura       Eventos       Guia Comercial      Contato Buscar:


Em abaixo-assinado, 1,5 milhão pedem impeachment do ministro Gilmar Mendes
26/12/2017
compartilhe:

Meta é chegar aos 3 milhões, segundo o criador do abaixo-assinado.

height=294
 

Um abaixo-assinado cadastrado na plataforma Change pedindo o impeachment do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes já tem mais de 1,5 milhão de assinaturas.

O documento do abaixo-assinado afirma que o juiz “proferiu diversas vezes decisões que contrariam a lei e a ordem constitucional”, como nas decisões em que mandou soltar o empresário Eike Batista e o ex-ministro José Dirceu.

“Gilmar Mendes, especialmente, concede reiteradamente habeas corpus a poderosos (Daniel Dantas recebeu dele um habeas corpus num domingo) , demonstrando julgar com parcialidade e a favor de interesses que nem sempre coincidem com o bem comum. Preside um TSE que envergonha o país validando uma chapa que abusou do poder econômico de forma incontestável”, afirma José Luiz Maffei, que criou a página.

O abaixo-assinado deve ser entregue ao Senado Federal e ao senador Álvaro Dias. A meta é chegar a 3 milhões de assinaturas.


Nota do Opportunity

Em função da citação de Daniel Dantas, um dos fundadores do banco Opportunity, por José Luiz Maffei, o banco enviou uma nota de esclarecimento a EXAME, ressaltando que as acusações foram julgadas e Dantas foi declarado inocente. Reproduzimos, abaixo, os principais trechos:

“ O Ministério Público Federal antes mesmo da deflagração da Satiagraha (8.7.2008), operação que envolveu Daniel Dantas e executivos do Opportunity, durante a fase de investigações, por duas vezes, em setembro e dezembro de 2007, pediu a descontinuidade da investigação nos seguintes termos: ‘nos autos não consta nada de concreto que sequer sugira a prática de crime por quem quer que seja’.

As decisões de Gilmar Mendes a respeito de Daniel Dantas foram submetidas ao Plenário do Supremo. Por 9 votos a 1, as prisões do empresário, decretadas pelo então juiz Fausto de Sanctis, da 6ª Vara Criminal de São Paulo, foram consideradas ilegais. (…)

A Satiagraha foi anulada pelo Superior Tribunal de Justiça, em 7 de junho de 2011, acatando parecer do Ministério Público Federal, em razão de ilegalidades. (…) Em 24 de junho de 2015, o Supremo Tribunal Federal (STF) ratificou a decisão do STJ em relação à anulação da Satiagraha.


Em 22 de fevereiro de 2016, em Apelação Criminal, a 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Divisão (TRF/3) decretou o arquivamento da ação penal relativa aos crimes financeiros imputados ao Opportunity na operação Satiagraha. A 5ª Turma do TRF/3 também absolveu Daniel Dantas do crime de corrupção no âmbito da mesma operação. ​“

Fonte: EXAME


compartilhe:











New Page 8

 
Notícias >  Cultura  |  Esportes  |  Economia  |  Geral  |  Polícia  |  Política

Classificados >  Geral  |  Imóveis  |  Veículos

Home       Fale Conosco  

Fone:35 8705-5331
Todos direitos reservados.