Minas Acontece - Empresa desiste de contrato de concessão do monotrilho em Poços de Caldas
Minas Acontece - O que acontece em Minas você fica sabendo primeiro aqui! Notícias de: Alfenas, Alterosa, Areado, Campos Gerais, Guaxupé, Juruaia, Machado, Paraguaçu, Poços de Caldas, Pouso Alegre, Serrania e Varginha.
Supermercado Nobre
Minas Acontece Home    Fale Conosco  

Galeria de Fotos   |   Vídeos  

PÁGINA PRINCIPAL  |  ALFENAS  |  ALTEROSA  |  AREADO  |  CAMPOS GERAIS  |  GUAXUPÉ  |  JURUAIA  |  MACHADO  |  PARAGUAÇU  |  
POÇOS DE CALDAS  |  POUSO ALEGRE  |  SERRANIA  |  VARGINHA
Polícia       Política       Geral       Economia       Esporte       Cultura       Eventos       Guia Comercial      Contato Buscar:


Empresa desiste de contrato de concessão do monotrilho em Poços de Caldas
30/1/2019
compartilhe:

 

A empresa J. Ferreira desistiu do contrato de concessão do monotrilho em favor da Prefeitura de Poços de Caldas (MG). A decisão foi informada durante uma audiência de instrução e julgamento realizada na tarde desta terça-feira (29).

height=375

No ato de renúncia, a concessionária abre mão de qualquer indenização ou pagamento pelos investimentos que fez no monotrilho. Na reunião, os representantes da empresa ainda se comprometeram a terminar a manutenção em uma das pilastras de sustentação da estrutura do monotrilho, que começou em dezembro de 2018.

A partir de agora, todo o acervo estrutural, vigas, pilares, estações, instalações elétricas, trilhos e a composição estacionada no Terminal de Linhas Urbanas pertencem ao município. A prefeitura anunciou que fará uma coletiva nesta quarta-feira (30) para falar sobre o tema.

               Sobre o monotrilho

 

 

 

Aprovada em 1981, a construção do monotrilho só foi entregue nos anos 2000. O projeto original previa 30 quilômetros de extensão, mas a obra final ficou com apenas oito. Inicialmente, a ideia era que o empreendimento fosse usado como transporte público, além de ser transformado em mais uma atração turística. Entretanto, ele funcionou poucas vezes durante um período de três anos.

Em setembro de 2000, o trem descarrilou em uma curva e 19 pessoas tiveram que ser resgatadas pelo Corpo de Bombeiros. Já no dia 14 de novembro de 2003, duas pilastras, que ficam ao longo da Avenida João Pinheiro, caíram. Na época, a prefeitura alegou que isso aconteceu por causa das obras de assoreamento do rio que margeia a construção. Depois disso, o monotrilho nunca mais voltou a funcionar, mas a estrutura nunca foi retirada.

Em 2014, o Ministério Público tentou fazer um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) entre a prefeitura e a empresa que administra o monotrilho para resolver o impasse, mas o acordo não foi assinado e o processo ainda corre na Justiça.

Dois anos depois, em 2016, o juiz da 3ª Vara Cível do município, Edmundo José Lavinas Jardim, concedeu uma liminar determinando que em até 30 dias, a prefeitura começasse as obras de contenção dos taludes do Ribeirão Poços de Caldas. O documento também determinava que a administração municipal elaborasse planos de contingência para evitar a ruína da estrutura do monotrilho.

Na época, a antiga administração da prefeitura entrou com um recurso contra a liminar. De acordo com o Tribunal de Justiça, o Executivo alegou que já fazia o acompanhamento da construção e que já tomava as medidas de segurança.

A última atualização do caso aconteceu em dezembro de 2018, quando parte da estrutura do monotrilho foi isolada pela prefeitura, que disse que o local passaria por uma manutenção.

Fonte:https://g1.globo.com/mg/sul-de-minas/noticia/2019/01/29/empresa-renuncia-contrato-de-concessao-do-monotrilho-em-pocos-de-caldas-mg.ghtml



compartilhe:

















New Page 8

 
Notícias >  Cultura  |  Esportes  |  Economia  |  Geral  |  Polícia  |  Política

Classificados >  Geral  |  Imóveis  |  Veículos

Home       Fale Conosco  

Fone:35 8705-5331
Todos direitos reservados.