Campos gerais

Campos Gerais: Presidente da Câmara Municipal é acusada de Nepotismo e cabide de emprego

A denúncia aconteceu durante uma reunião plenária.

15 de fevereiro de 2022

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram

No dia (1°) de fevereiro, durante um reunião na Câmara Municipal de Vereadores da cidade de Campos Gerais, no Sul de Minas, aconteceu uma discussão entre a Presidente da casa e um outro vereador.

A discussão teve início após o Vereador Pórfiro (PSC), questionar um projeto de lei votado pelos vereadores que permitia a contratação de estagiários pela Prefeitura Municipal, projeto esse que Pórfiro votou contra.

A discussão com a Presidente da Câmara, Keila Santos (PSDB), que é da base do Prefeito Miro Falcão, também do PSDB, ficou mais acirrada ainda quando o vereador acusou o executivo municipal de estar praticando cabide de emprego, colocando seus cabos eleitorais para trabalharem na prefeitura.

Pórfiro também denunciou um caso de Nepotismo por parte de Keila Santos. De acordo com ele, a filha dela estaria trabalhando na prefeitura, algo que é proibido por lei e caso isso aconteça.

Pórfiro questionou quantas pessoas estão trabalhando na prefeitura por indicação da vereadora Keila e ela disse ‘umas cem pessoas”. Pórfiro rebateu dizendo para ela contratar e pagar os contratos com o dinheiro dela e não com dinheiro público.

Segundo informações obtidas pelas nossas fontes, a Prefeitura resolveu terceirizar vários serviços na cidade, assim contratando muito mais pessoas, inchando a prefeitura e tendo mais gastos desnecessários aos cofres públicos.

Da Redação.